4 mitos e verdades sobre o consumo de azeite em alta temperatura


4 mitos e verdades sobre o consumo de azeite em alta temperatura

Há registros históricos do uso do azeite de oliva extra virgem desde civilizações antigas, como os cretenses, gregos, romanos e árabes. Todos esses povos usavam o azeite, não só na alimentação, mas também na medicina, na fabricação de perfumes e na iluminação. 

Hoje em dia, sempre que falamos do uso de azeite de oliva extravirgem em preparações culinárias, imagina-se que ele seja indicado somente para saladas, para pratos frios ou para dar um toque final àquele assado.

Mas será que, ao aquecê-lo, suas propriedades nutricionais são perdidas? Ao contrário do que acredita a maioria das pessoas, o consumo de azeite de oliva extra virgem em alta temperatura é permitido, sim. Aliás, é recomendado! 

Clique no banner e confira nossos azeites de oliva extra virgem!

Confira nossos azeites

Quer entender mais sobre o consumo de azeite em alta temperatura? Separamos alguns mitos e verdades sobre a composição desse produto. Confira! 

1. O azeite é diferente dos óleos vegetais: verdade 

O azeite é composto, predominantemente, por gorduras monoinsaturadas (cerca de 55% a 85%), com quantidades menores de gorduras saturadas e poli-insaturadas e, ainda, antioxidantes — como vitamina E e polifenóis. 

Óleos vegetais, por outro lado — como os de girassol, soja ou milho —, têm proporção semelhante de gorduras saturadas, mas quantidade muito maior de gorduras poli-insaturadas. Essa composição confere a esses óleos um sabor muito menos agradável ao paladar.

Além disso, estudos como o apresentado no New England Journal of Medicine, realizados com as populações do Mediterrâneo, indicam que o consumo diário de azeite de oliva extra virgem estende a longevidade e previne as doenças cardiovasculares

Dica: Conheça os 7 benefícios do Azeite de Oliva para sua saúde

2. Todo azeite é igual: mito 

O azeite de oliva que guarda as melhores propriedades nutricionais da azeitona e, portanto, o de melhor qualidade, é o extra virgem

Também denominado AOVE, preserva os seus compostos voláteis responsáveis pelo aroma e sabor por meio da pressão a uma temperatura controlada, nunca passando de 28ºC.

3. O consumo de azeite em alta temperatura é prejudicial à saúde: mito 

Presente em maior concentração nos óleos vegetais, os ácidos graxos poli-insaturados são menos estáveis quando submetidos a altas temperaturas, podendo nessas condições formar gorduras trans, aldeídos e cetonas, além de radicais livres.

Já o azeite de oliva extra virgem tem maior estabilidade por apresentar maior quantidade de gorduras monoinsaturadas e quantidade expressiva de antioxidantes. 

Estudos revelam que a batata frita em azeite de oliva extra virgem é mais saudável que a frita em óleos refinados de soja ou de girassol, por exemplo. Isso ocorre não só pela estabilidade do azeite, como também pela transferência ao alimento frito de sabor e aroma, além da alteração do perfil de lipídeos. 

4. Substâncias cancerígenas são liberadas pelo azeite ao aquecê-lo: depende! 

Quando o óleo refinado chega a evaporar, entra no chamado ponto de fumaça. Nessa faixa de temperatura, que se inicia em 180ºC, mas pode variar entre os diferentes óleos, há o início dos processos oxidativos e da formação de compostos voláteis. Alguns desses compostos são cancerígenos, como a acroleína. 

O azeite de oliva extra virgem também tem um ponto de fumaça, que é incerto, mas há referências entre 180ºC e 215ºC. Entretanto, nessa temperatura, nenhuma gordura utilizada no processo de fritura é considerada saudável!

Clique no banner e confira nossos azeites de oliva extra virgem!

Confira nossos azeites

Sendo assim, não só pode-se consumir o azeite em alta temperatura, como também, em comparação com óleos vegetais refinados, ele é o mais indicado para cocção e frituras! 

Quer aprender mais sobre o azeite e suas propriedades? Assine a nossa newsletter e fique por dentro das novidades do mercado, dicas e muito mais! 




Por
30/03/2017


Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!

Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!