Entenda quais são as diferenças entre o azeite brasileiro e o importado


Entenda quais são as diferenças entre o azeite brasileiro e o importado

Com seu lugar garantido no coração e na mesa de muitos lares brasileiros, o azeite de oliva é o queridinho do paladar de muitas pessoas que apostam nessa iguaria para temperar e cozinhar os mais diversos pratos.

Além disso, o azeite ganha cada vez mais espaço na mesa por causa dos benefícios que traz para a saúde, por ser fonte de gordura boa para o nosso organismo, ajudar a reduzir os níveis de colesterol ruim e ter compostos antioxidantes.

Tanto seu caráter saudável quanto sua facilidade de adaptação a vários preparos já são características conhecidas dessa iguaria, e engana-se quem pensa que azeite para ser bom deve ser importado. O Brasil já é um excelente produtor, porém, poucas pessoas sabem as diferenças entre a versão tupiniquim e o importado, tão famoso e consumido pelo país.

Para ajudar a esclarecer algumas dúvidas, vamos explicar a diferença entre esses dois azeites. Confira!

Tempo do azeite

Alguns apreciadores de azeite não sabem, mas quando pensamos na qualidade do óleo extraído das oliveiras, quanto mais novo ele for — quanto mais próximos a produção e o consumo estiverem —, melhor será a sua qualidade.

E está exatamente nesse ponto uma das grandes diferenças entre o azeite brasileiro e o importado. A colheita brasileira costuma ocorrer entre os meses de março e abril, por isso, consumimos um azeite mais novo, produzido ainda no ano em que estamos. Já o importado geralmente foi produzido no ano anterior, aumentando a distância entre a produção e a chegada na nossa mesa.

A diferença na qualidade ocorre porque, diferente do que acontece com os vinhos, o azeite perde as suas propriedades ao longo do tempo, aumentando as chances de oxidação em contato com o ar.

Suavidade

Uma característica dos azeites brasileiros que os distingue dos importados é a suavidade. Os rótulos produzidos em território nacional são mais suaves do que os produzidos em países da Europa, normalmente mais encorpados.

Além disso, os azeites brasileiros têm mais frescor e tendem a ser mais aromáticos. Podemos, inclusive, encontrar aromas que remetam à maçã verde e grama recém-cortada, por exemplo. Essa diferença de suavidade tem sua justificativa na idade das oliveiras, que são mais jovens no Brasil, e nos diferentes tipos de solo usados na plantação.

Transporte

Os azeites de oliva importados acabam sofrendo com a distância e os custos de transporte e importação. Como eles demoram mais para chegar ao consumidor final do que os azeites brasileiros, podem acabar tendo a sua qualidade prejudicada durante esse processo — e, como já falamos, o melhor azeite é aquele que é consumido mais novo.

Por isso, a qualidade do produto nacional acaba sendo superior, já que a entrega ocorre de modo mais rápido. 

Com alta qualidade e características vantajosas, como frescor, suavidade e bons aromas, o azeite brasileiro tem se tornado cada vez mais competitivo no mercado nacional. A vantagem de consumir um produto realmente novo, que significa também mais saudável, também está sendo levada em consideração pelos amantes do azeite de oliva, aumentando a procura pelos rótulos nacionais.

Gostou do post sobre as diferenças entre azeite brasileiro e importado? Qual o seu tipo preferido de azeite e com qual finalidade você mais utiliza essa iguaria? Nos siga no facebook e nos conte sua opinião!



Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!

Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!